Entre em contato
Tipos de Tumor

Tipos de Tumor

Os tumores mais comuns no Brasil e como se prevenir

Com certeza você conhece ou já ouviu falar de alguém que recebeu o diagnóstico de câncer. Esta é uma doença silenciosa, que pode levar à morte. Todos os casos desse mal começam com uma mutação no gene.

A incidência dos tumores cresceu nos últimos tempos e, infelizmente, vai crescer ainda mais. De acordo com a IARC (International Agency Research in Cancer), em 2030, a doença pode triplicar em novos casos.

O que você pode fazer para mudar isso? Prevenção! Conheça os tumores mais comuns no Brasil e como se prevenir deles.

Câncer de Pele

Causas

Excesso de sol, sem protetor solar e principalmente entre às 10h e 16h. Peles claras também são propensas.

Sintomas

Lesões de pele. Repare se está com alguma área pigmentada (castanha, negra ou vermelha), crescendo e com forma assimétrica.

Prevenção

Autoexame constante em frente ao espelho, nunca tomar sol em horário inapropriado e usar protetor solar todos os dias.

Câncer de Colo Uterino

Causas

HPV, muitos parceiros sexuais, má higiene íntima, cigarro.

Sintomas

São muito silenciosos, quase não se desconfia da doença. Quando eles aparecem, o tumor já está avançado. Podem ocorrer corrimento, hemorragia e dor.

Prevenção

Ter poucos parceiros sexuais, boa higiene íntima, usar camisinha. Quem tem vida sexual ativa deve fazer o exame de Papanicolaou pelo menos uma vez ao ano.

Câncer de Cólon (Intestino)

Causas

Ninguém sabe ao certo. Em geral, o paciente come muita gordura e churrasco em excesso.

Sintomas

Também é extremamente silencioso. No auge da doença é possível sentir dor contínua na barriga, prisão de ventre ou diarreia e perda de sangue nas fezes.

Prevenção

Realizar um exame de pesquisa de sangue oculto nas fezes. A partir dos 50 anos, tanto o homem quanto a mulher devem fazer uma colonoscopia a cada cinco anos.

Câncer de Mama – O mais frequente na mulher brasileira

Causas

10% passam de mãe para filha. Os outros 90% não se sabe a causa.

Sintomas

Caroço na mama. Como é esse caroço: duro, com limites pouco precisos e aspecto grudado nos tecidos vizinhos. Às vezes, sangue eliminado pelo bico e dor.

Prevenção

Faça o autoexame: Durante o banho, 15 dias após menstruar, ensaboe a mama esquerda e toque-a com a mão direita, pressionando-a contra a costela. Depois, inverta, com a mão esquerda, apalpe a mama direita, sempre em busca de um carocinho, por menor que seja.

A segunda parte do autoexame é feita na cama. Deite, coloque a mão direita embaixo da cabeça e repita o movimento: a mão esquerda toca a mama direita, e depois a mesma coisa com a mama esquerda.

Quem tem mais de 40 anos deve realizar a mamografia uma vez por ano. Se você tem mãe ou avó materna que teve tumor na mama, comece a fazer este exame aos 30. Se descobrir um nódulo, procure imediatamente um mastologista ou ginecologista.

Câncer de Próstata

Causas

10% hereditários e 90% sem causa definida.

Sintomas

Também é silencioso, quando provoca sinais está bastante adiantado e comprometeu outras funções do corpo.

Prevenção

Após os 45 anos, consulte o urologista uma vez ao ano. Caso tenha pai, tio ou avô paterno que teve câncer de próstata, comece a prevenção aos 40. Além da consulta, faça também a pesquisa de PSA no sangue.

Atenção! Não realize apenas a dosagem sanguínea de PSA, pois há muitos casos de câncer com PSA normal. Consulte sempre seu urologista.

Leia mais
O que é o teste de intolerância ou hipersensibilidade alimentar?

O que é o teste de intolerância ou hipersensibilidade alimentar?

O sistema imunológico presente no intestino é o maior e o mais importante de todo o organismo. Mais de 80% das reações imunológicas têm aí sua origem, garantindo uma barreira quase intransponível contra bactérias, vírus, e outros agentes patogênicos, assim como contra proteínas de alimentos ou frações de proteínas reconhecidas como substâncias estranhas.

A integridade da parede intestinal, por outro lado, pode ser danificada por diversas causas, tais como medicamentos, infecções, microrganismos, estresses e toxinas ambientais, permitindo a entrada de parte de nutrientes e de proteínas não totalmente fragmentadas no espaço intercelular.

Estas substâncias são imediatamente reconhecidas pelo sistema imunológico como elementos estranhos e por isso levam à produção de anticorpos específicos contra suas moléculas. A ingestão repetitiva de tais substâncias provoca reações imunológicas repetitivas que podem levar à formação de processos inflamatórios. A experiência demonstra que na maioria dos casos são os alimentos ingeridos diariamente que causam estas inflamações, levando à hipersensibilidade alimentar ou alergia tardia.

As alergias alimentares tardias são classificadas como alergia do tipo III e são mediadas pela imunoglobulina G, que produz um anticorpo chamado anticorpo IgG. Este processo é chamado genericamente de Intolerância Alimentar mediada por IgG.

As manifestações de hipersensibilidade alimentar ou intolerância alimentar são geralmente tardias e podem aparecer muito tempo depois do primeiro contato com algum alimento específico, chamado de “antígeno” porque induz à formação de anticorpos.

O Teste é realizado com um equipamento exclusivo que destacará quais são os alimentos específicos e responsáveis por processos de hipersensibilidade e intolerância alimentar.

Veja a lista de alimentos do Exame de Intolerância Alimentar

Leia mais
Qual a diferença entre Intolerância e Alergia Alimentar ?

Qual a diferença entre Intolerância e Alergia Alimentar ?

As alergias clássicas, mediadas pela imunoglobulina E, caracterizadas por reações imediatas, expressas por sinais e sintomas bastante exuberantes e de fácil identificação, tais como reações cutâneas e inchaços, as “alergias” mediadas por IgG são caracterizadas por processos inflamatórios crônicos, revelados por sinais e sintomas menos exuberantes, decorrentes da deposição de complexos imunológicos em vários tecidos ou órgãos.

Muitas pessoas exibem reações inflamatórias crônicas de sensibilidade a alimentos específicos. Diferente da alergia, a sensibilidade pode levar dias para aparecer e ser mais difícil de detectar.

Entenda a diferença entre Alergia e Intolerância Alimentar

Alergia Alimentar

  • Sintomas Imediatos
  • Testes cutâneos positivos
  • Poucos alimentos relacionados
  • Traços são suficientes para desencadear alergia
  • Afeta Pele e Mucosa
  • Mais Frequente em crianças
  • Diagnosticado sem teste
  • Rejeição a alimento pelo paciente
  • Permanente ou definitiva

Intolerância Alimentar

  • Sintomas tardios
  • Testes cutâneos negativos
  • Muitos alimentos relacionados
  • Afeta todos os tecidos
  • Frequente em Crianças e adultos
  • Remissão possível se o alimento é evitado
  • 50% da população

Porque fazer o teste de intolerância alimentar?

Algumas pessoas passam a vida toda sofrendo com depressão, ganho de peso, dermatite, constipação, diarreia, artrite, fadiga e síndrome do intestino irritável.
Você já detectou alguns desses sintomas? Se sim, estes podem ser fatores relacionados à intolerância a alimentos.

Por isso, o conhecimento dos alimentos que podem causar reações é de grande ajuda ao seu médico, que vai dar um diagnóstico mais preciso.

Pensando na sua qualidade de vida, o Pathos é um dos poucos laboratórios do Brasil a realizar o Teste de Intolerância Alimentar.

Como funciona: com um exame de sangue, é possível identificar a incompatibilidade de até 216 alimentos.

Veja a lista de alimentos do Exame de Intolerância Alimentar
Agende seu exame conosco.

Leia mais
O que é Intolerância Alimentar?

O que é Intolerância Alimentar?

A revolução industrial na área de alimentos é relativamente recente e tem oferecido à sociedade uma grande quantidade de produtos modificados, a fim de que possam ter sua validade para consumo estendida por longos períodos de tempo. Por outro lado, não houve tempo suficiente para que o conjunto dos nossos genes pudesse adaptar-se a essas modificações químicas introduzidas nos alimentos que compõem a nossa dieta alimentar.

Assim, não é surpresa estarmos ingerindo em nossas refeições alimentos mais ou menos incompatíveis com a capacidade que o nosso genoma possui para metabolizá-los.
Por esse motivo, a porção interna do intestino delgado, chamada “mucosa”, que é por onde todos os alimentos são absorvidos para dentro do corpo, em condições normais não permite que esses alimentos incompatíveis cheguem à nossa circulação sanguínea.

Mas essa barreira algumas vezes não é suficiente para blindar nosso corpo e esses alimentos indesejados acabam adentrando à nossa corrente sanguínea. Com isso, o sistema imunológico que nos defende é recrutado e começa a produzir anticorpos contra esses elementos estranhos. São as chamadas “imunoglobulinas G”, responsáveis por um tipo de reação imunológica chamada “hipersensibilidade retardada”, que consegue livrar o nosso corpo de muitos ataques do ambiente em que vivemos.

As imunoglobulinas ligam-se aos alimentos incompatíveis, formando moléculas grandes chamadas “complexos antígeno-anticorpo”, que ficam circulando livremente pelo sangue. Uma outra célula importante do nosso sistema imunológico, chamada “macrófago” encosta no complexo antígeno-anticorpo e , através de movimentos ameboides coloca-o para dentro do seu citoplasma, num processo chamado “fagocitose” e, graças aos enzimas que possui, em poucos minutos destrói totalmente o inimigo. Isto ocorre se a quantidade de complexos for pequena.

Se, por outro lado, a pessoa ingerir uma quantidade desproporcional desses alimentos, não haverá acrófagos suficientes para fagocitar todos os complexos antígeno-anticorpo formados e aqueles que restarem continuarão a circular na corrente sanguínea. E, mais cedo ou mais tarde, acabam se depositando na parede interna de algum vaso sanguíneo, originando imediatamente um processo inflamatório, o grande responsável pelos sinais e sintomas causados pela “intolerância alimentar”. Se essa inflamação ocorrer no intestino, o paciente apresentará um quadro clínico relacionado ao sistema digestivo, relatando empachamento, gases em excesso, dor abdominal, azia, episódios de diarreia alternados com prisão de ventre, etc, em tudo levando ao diagnóstico de “síndrome do cólon irritável”, com prescrição de ansiolíticos que dificilmente levarão à cura do paciente, pois a causa de sua doença não está sendo atacada.

Se a inflamação situar-se nos vasos sanguíneos do sistema respiratório alto, o paciente manifestará queixas relacionadas às vias aéreas superiores (coriza, espirros frequentes e outros tantos), ensejando o diagnóstico de diferentes tipos de “alergia” que o paciente vai carregando ao longo de sua vida.
Na pele, essa inflamação provoca dermatites que também acompanham o paciente por muitos anos.
Síndrome do pânico, enxaqueca, doenças autoimunes e muitas outras doenças crônicas têm desafiado os médicos no tratamento de seus pacientes e puderam ser curadas apenas pela retirada dos alimentos incompatíveis da dieta alimentar.

Na hipersensibilidade retardada, nosso organismo leva cerca de quatro dias para produzir os anticorpos contra esses antígenos alimentares e por isso o paciente acaba não correlacionando seus sintomas com os alimentos que ingeriu dias atrás. Por isso, eles continuam ingerindo-os, aumentando a gravidade do processo.

A finalidade única deste teste de intolerância alimentar é pesquisar a presença de imunoglobulina G para cada um 216 diferentes alimentos relacionados.
Se houver incompatibilidade para qualquer alimento, o laudo indica a quantidade de IgG para cada um dos alimentos para ele incompatíveis.

Clique aqui e agende seu teste

Como é realizado o teste de Intolerância alimentar - Pathos Diagnósticos Médicos

Como é realizado o teste de intolerância alimentar?

O Teste é realizado pela metodologia Imunoblot e é mediado por IgG. Com um equipamento exclusivo, fazemos a quantificação de anticorpos IgG para 216 alimentos, específicos e responsáveis por processos de hipersensibilidade e intolerância alimentar.

No Brasil existem apenas 4 (quatro) equipamentos para realização desse teste, e em São Paulo somente 1, no Laboratório Pathos.

Leia mais
Pedido de Material

Nome do Solicitante: (obrigatório)

Telefone:(obrigatório)

Seu e-mail: (obrigatório)

Médico / Clínica / Hospital: (obrigatório)

Endereço:(obrigatório)

Nº:(obrigatório)

Complemento(Conj./Andar/Blocos/Sala)

Kit - Frasco Pequeno com Formol

Kit - Papanicolaou sem espéculo

Kit - Captura Híbrida

Etiquetas de Identificação de Paciente

Kit - Papanicolaou com espéculo

Kit - Intolerância Alimentar

Saco Transparente Pequeno

Kit - Thin Prep

Saco Transparente Grande

Frasco com Fixador de Lâmina

Declaração de Expedição (Mapa Diário)

Saco Pathos Pequeno

Lâmina Fosca Sem Lapidar - c/ 50 lâminas

Envelope de Numerários

Saco Pathos Grande

Frasco Citológico 03 Estrias Redondo

Requisição (Anátomo/Cito) - c/ 20 folhas

×